Galeria

Indígenas da metrópole: Presença ou migração?

A notícia da compensação para as tribos indígenas localizadas próximas aos trechos Oeste e Sul do Rodoanel tomou espaço nas páginas do O Estado de São Paulo desta segunda, dia 5 de julho. Uma soma de R$ 6 milhões a ser destinada a compra de novas áreas com 100 hectares para cada tribo pela FUNAI e poder melhor acomodar  as tribos indígenas que estão hoje no interior da metrópole paulistana. Uma amostra do cuidado com o licenciamento ambiental da obra e com o respeito a tradições de culturas em nossa Nação.

A cidade de São Paulo tem nos dias de hoje a presença de 3 tribos indígenas. Difere portanto do início da ocupação portuguesa nos então Campos de Piratininga onde a tribo do Cacique Tibiriçá chegou a estar situada onde hoje temos o Mosteiro de São Bento. Mas a Piratininga 1554 já guarda semelhanças com a São Paulo de 2010. A tribo de Tibiriçá ficava em terras do atual ABC, mais precisamente onde estão as cidades de São Bernardo do Campo e Santo André e com a transferência dos moradores da então Santo André da Borda do Campo para as cercarias de Piratininga teve-se a transferência da tribo amiga e ligada a João Ramalho, casado com Bartira, filha de Tibiriçá.

O mesmo se deu nos anos 60 com as tribos situadas na Zona Sul. Vindas do Paraná em busca de melhores condições de sobrevivência, os indios guaranis abrigaram-se nas terras de um imigrante japonês que deixava as terras e rumava de volta para a Terra do Sol Nascente. Poucas famílias que hojem somam uma população de cerca de 1000 brasileiros. Mesma época em que migrantes nordestinos vieram para SP em busca de trabalho e também melhores condições de sobrevivência. E que também constituiram novas famílias.

São Paulo saiu de quase 3,8 milhões de habitantes em 1960 para os 12 milhões de hoje

Esta migração liga nordestinos e indígenas, brasileiros e imigrantes que aqui vieram buscar uma vida melhor. Cada um com sua cultura e estilo de vida próprios.

Os Guaranis dos anos 60 diferem dos Tupiniquins de Tibiriçá. Tibiriçá era de uma tribo tupiniquim que se aliou a colonização portuguesa. Os Guaranis procuravam sobrevivência. A migração os unem, mesmo sendo os Guaranis frutos dos fluxos migracionais diferentes.

A reportagem cita que sobrevivem do artesanato, de ajuda de ONGs, aliados a práticas como a caça, pesca e coleta de alimentos na mata, os Guaranis também recebem ajuda governamental através da FUNAI e da prefeitura paulistana que implantou há alguns anos o Centro de Educação e Cultura Indígena -CECI.

Vivem também da cobrança de taxa dos visitantes de suas reservas. São índios que misturam culturas tradicionais com a cultura branca. Brasileiros como todos nós que buscam manter suas tradições e necessitam de olhar público. Assim como nordestinos, descendentes de portugueses, italianos, japoneses coreanos, bolivianos, Só não podemos pender para o lado indigenista adotado na Amazônia dadas as diferenças de ocupação e aculturação.

Muitos migrantes ainda vivem em habitações com menos de 10 m², em áreas irregulares sem estrutura básica. São brasileiros frutos de migração ou há tempos já fixados nas terras.

Brasileiros como os indígenas das Reservas da Metrópole.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s